segunda-feira, 10 de julho de 2017

Em 3 horas de greve, garis de Paranaguá recebem salários atrasados e retornam ao trabalho

Acaba de ser confirmado o crédito dos salários nas contas dos garis de Paranaguá. Os pagamentos estavam atrasados desde sexta-feira (dia 07).

Junto com o Siemaco os funcionários iniciaram uma greve geral hoje às 07h da manhã. Em cerca de 3 horas de paralisação os pagamentos efetuados e a atividade da limpeza pública será normalizada nas próximas horas.

"Nos tempos em que estamos vivendo, receber o salário que é um direito básico, muitas vezes só tem sido possível por meio da luta dos trabalhadores. Só a união e mobilização fortalecem a representatividade da categoria", afirmou Manassés Oliveira, presidente do Sindicato.






Sem salários, garis de Paranaguá cruzam os braços

Em assembleia realizada nesta manhã pelo Siemaco (Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação de Curitiba e Região), os trabalhadores responsáveis pela coleta de lixo, varrição e roçada de Paranaguá decidiram entrar em greve por tempo indeterminado. O motivo é o atraso dos salários que deveriam ter sido pagos na sexta-feira (dia 07), mas que até o momento estão sem previsão de acontecer.

A empresa Paviservice Engenharia e Serviços justifica passar por momentos de dificuldades financeiras em razão de que a Prefeitura de Paranaguá está com os pagamentos atrasados desde o período trabalhado em Janeiro. Segundo informações da empresa, a dívida do município já ultrapassa 4,5 milhões.

Apesar de entender o momento de crise, o Sindicato afirma que os funcionários não podem ser penalizados pelos problemas entre a prefeitura e a empresa. “São aproximadamente 120 trabalhadores, pais de famílias, que fizeram a sua parte mantendo a cidade limpa. Agora a empresa tem que fazer a dela que é honrar os salários.”, afirmou Manassés Oliveira, presidente do Siemaco.

A greve atinge integralmente os serviços de limpeza pública da cidade. Até que os salários sejam efetuados, não haverá coleta de lixo na cidade.




ENFIM, JUSTIÇA! Sindicato faz pagamento para 418 trabalhadoras da Produserv

08/07/2017

Neste sábado (08) o Siemaco realizou o pagamento para as ex-funcionárias da Produserv que prestaram serviço para a Prefeitura de Araucária. Os valores referem-se ao acordo final para quitação das verbas rescisórias, fgts e multa devidos aos trabalhadores.

O entendimento e sensibilidade da Justiça do Trabalho é determinante nessas situações. "Nossos agradecimentos a Juíza Dra. Marli Gonçalves Valeiko, da Justiça do Trabalho de Araucária que, considerando a situação de fato e de direito realizou o bloqueio dos créditos da empresa nas contas do município e ao desembargador Dr. Arion Mazurkevic, do Tribunal Regional do Trabalho, que manteve a decisão para pagamento de verbas alimentares aos trabalhadores", declarou o Dr. Alexandre Nishimura, advogado responsável do processo pelo
Siemaco.

Manassés Oliveira, presidente do Sindicato resumiu o caso: "O Siemaco esteve junto com as funcionárias desde 22 de dezembro quando a empresa deixou o contrato sem pagar os direitos devidos. Graças aos esforços e dedicação do Departamento Jurídico junto à Justiça do Trabalho, hoje está sendo possível a quitação dos contratos", disse.

Os pagamentos estavam programados para começar às 9h deste sábado, mas às 5h30 da manhã a fila começou a ser formada em frente ao Siemaco. Vera Lúcia Garcia foi a primeira a chegar. Muito feliz ao receber o seu cheque ela afirmou que vai utilizar o dinheiro principalmente para pagar as contas atrasadas.

Rosangela Aparecida Viera foi uma das que comemorou muito. "Eu nunca deixei de acreditar no Sindicato, muito obrigada pelo trabalho de vocês".

Assim como as ex-funcionárias da Produserv. Milhares de trabalhadores dependem do Sindicato e da Justiça para receberem seus direitos. Somente no ano passado mais de 1.200 processos foram ajuizados pelo departamento Jurídico do Siemaco para garantir direitos dos trabalhadores.







Siemaco tem convênio com Salão de Beleza e Centro de Estética

05/07/2017

Associados do Siemaco têm acesso a convênio Beleza e Estética e podem pagar em até 3 vezes com desconto em folha de pagamento.

Aproveite!

Bell´s Centro de Estética e Salão de Beleza

Hidratação, Corte, Escova, Nutrição, Mechas, Selagem ou Botox, Progressiva, Reconstrução Capilar e Corte Bordado, Depilação, Manicure e Pedicure, Unhas de Porcelana ou Gel, Sobrancelha fio a fio (Microblanding), etc.
Maquiagem definitiva (micropigmentação), Revitalização Facial, Tratamento para Rejuvenescimento, Tratamentos para Manchas, Pacotes para redução de medidas, Modelagem Corporal, contra Flacidez, entre outros.

O Bells Centro de Estética fica na Rua Duque de Caxias, 149, São Francisco, próximo a sede central do Siemaco.

Faça uma avaliação e solicite orçamento.

Mais informações: 3148-0804 ou 3222-3368
Facebook: Bells Centro de Estética e Salão de Beleza



Aprimore seu currículo e aumente as suas chances no mercado de trabalho

01/07/2017

Veja a programação da FACOP para o mês de Julho.

Cursos gratuitos para trabalhadores do setor de asseio e conservação.

Mais informações: 3699-0090 ou atendimento@facop.org.br



Siemaco participa do Dia Nacional de Lutas

30/06/17

Neste dia 30 de junho, Dia Nacional de Lutas, o Siemaco está organizando manifestações em diversos postos de trabalho. Os protestos são contra a retirada de direitos dos trabalhadores prevista das propostas de reformas trabalhista e previdenciária.

Equipes do Sindicato estão visitando os setores, distribuindo informativos e entregando 10 mil fitas verdes e amarelas que estão sendo usadas como uma demonstração de solidariedade aos 14 milhões de desempregados brasileiros.








Siemacos do Paraná discutem reformas trabalhista e previdenciária

23/06/17

A Feaconspar (Federação dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação do Paraná) e a UGT (União Geral dos Trabalhadores) estão discutindo estratégias de organização e luta para defender os direitos dos trabalhadores no panorama nocivo das reformas em andamento no país.

Participam do evento Paulo Rossi (presidente da UGT-PR), Manassés Oliveira (presidente da Feaconspar), Cid Cordeiro (economista), advogados, diretores e representantes dos Siemacos de Curitiba, Cascavel, Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão, Londrina, Ponta Grossa e Maringá.

"O maior risco da proposta de reforma trabalhista é a fragilização das garantias mínimas dos direitos aos trabalhadores", explica o Dr. Alexandre Nishimura, advogado trabalhista com mais de 20 anos de experiência no movimento sindical.

Outra questão conforme reforçou Manassés Oliveira é que, de 99 alterações que estão sendo propostas na CLT, 97 são em prejuízo ao trabalhadores. "Somos a favor de discutir mudanças, mas a modernização da lei não deve precarizar direitos adquiridos, disse o representante laboral."

Os pontos vistos com maior preocupação são limitação do poder judiciário, desestruturação das organizações sindicais e extinção de diretos e garantias do trabalhador. "A mídia em geral discute alguns pontos, mas não deixa claro a extensão de danos na vida dos trabalhadores", disse João Geronimo, diretor do Siemaco de Curitiba.

CONFIRA AS 10 MAIORES MALDADES (ENTRE OUTRAS) QUE ESTÃO SENDO PROPOSTAS CONTRA O TRABALHADOR:

01) Dá poder ao empregador para definir as condições de trabalho de seus empregados, sem a fiscalização e acompanhamento do Sindicato;

02) Legalização do Trabalho Autônomo, extinguindo as garantias legais do vínculo empregatício.

03) Instituição de CONTRATO ZERO HORA - aonde o trabalhador terá que ficar à disposição do empregador e só receberá pelas horas trabalhadas, sem garantia de piso salarial;

04) Fim da obrigatoriedade da homologação das rescisões dos contratos de trabalho nos sindicatos;

05) Autorização para dispensa coletiva sem negociação das condições com o Sindicato;

06) Implantação de Banco de Horas e escala 12hx36h, direto pela empresa, sem participação do Sindicato;

07) Aumento da jornada de trabalho sem pagamento de horas extras (compensação na jornada semanal);

08) Exclusão dos adicionais da base de cálculo dos direitos trabalhistas;

09) Restrição do trabalhador ao exercício do direito da ação judicial, com pagamento de custas processuais, honorários e multas;

10)Representação interna da própria empresa para solução de questões trabalhistas e de conflito entre os empregados, incluindo negociações coletivas.